Texto Bíblico: Ec.8.9,10: “9  Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida vã, os quais Deus te deu debaixo do sol, todos os dias da tua vaidade; porque esta é a tua porção nesta vida, e no teu trabalho, que tu fizeste debaixo do sol. 10  Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.”

Observastes quando alguém lhe pergunta: Como foi seu dia? Involuntariamente, como se fosse ao automático da vida, logo dizes: “Uma correria total!”. E chegamos à conclusão que não temos tempo para mais nada, os dias estão sendo abreviados e muitas vezes nos refugiamos atrás desse grande vilão.

A frase acima “Não tenho tempo” parece ter se tornado nossa principal desculpa para programas cancelados, amigos abandonados, livros não lidos, tarefas inacabadas.  E, na verdade, parece-nos que o tempo encurtou para muitas coisas: para pessoas queridas, para desafios, para retomada de projetos. Por que essa sensação de falta de tempo e como lidarmos com ele?

Precisamos lidar com o tempo linear ou cronológico, mas também com o tempo das repetições (a rotina) e o tempo da oportunidade (Kairós). Todos eles implacáveis. Muitas vezes somos governados por um vigor cego! O filósofo e matemático Blaise Pascal já dizia no século XVIII: “As pessoas estão agitadas porque elas não conseguem ficar consigo mesmas” A contemporaneidade nos fez encher nossa vida de urgências e acabamos deixando de perceber a diferença entre o urgente e o importante. Tendemos a nos sentir sempre em falta com família, com trabalho, com desenvolvimento pessoal, com o lazer, com a atividade física, com amigos, com leituras, com o corpo e com a alma. As redes sociais solicitam respostas, curtidas, adesões, mas a vida também solicita.

Outra frase muito comum que ouvimos sobre o tempo é que rejeitamos o que não é importante para nós, ou que damos tempo para aquilo que nos interessa. Nem sempre. Quantos de nós nos culpamos por descuidarmos de nossa saúde e de pessoas queridas? Como lidar com o tempo? Planejamento de tarefas, organização de vida, observação de horas desperdiçadas contribuem para que essa sensação de débito constante seja minimizada.

Eleger prioridades também é fundamental. Lembre-se: entre o urgente e o importante há uma lacuna. Você saberia distingui-la? Nem tudo que é importante precisa ser atendido imediatamente…

Deus o abençoe

Compartilhe:
CategoryArtigos
Tags
Redes Sociais: