Um rapaz entrou numa Loja e viu um senhor no balcão.
Maravilhado com a beleza do lugar, perguntou:

– Senhor, o que se vende aqui?
– Os dons de Deus. Respondeu-lhe o senhor.
– Quanto custam? – voltou a perguntar.
– Não custam nada. Aqui tudo é de graça!
O rapaz contemplou a Loja e viu que haviam jarros de amor, vidros de fé, pacotes de esperança, caixinhas da salvação, muita sabedoria, fardos de perdão, pacotes grandes de paz e muitos outros dons.

O rapaz, maravilhado com tudo aquilo, pediu:
– Por favor, quero o maior jarro de amor, todos os fardos de perdão e um vidro grande de fé, para mim, meus amigos e família.
Então o senhor preparou tudo e entregou-lhe um pequeno embrulho que cabia na palma da sua mão.
INCRÉDULO, o rapaz disse:
– Mas como pode estar aqui tudo o que pedi?
Sorrindo, o gentil senhor lhe respondeu:
– Meu respeitável Irmão, na Loja de Deus não vendemos frutos! Só Sementes! Plante-as !

REFLITA: Gálatas 6 – “2. Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo. 7. Não vos enganeis; Deus não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará. 9. E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido. 10. Então, enquanto temos oportunidade, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé.”

Deus abençoe

Dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um riacho, entraram em conflito. Foi a primeira grande desavença em toda uma vida de trabalho lado a lado.
Mas agora tudo havia mudado. O que começou com um pequeno mal entendido, finalmente explodiu numa troca de palavras ríspidas, seguidas por semanas de total silêncio.
Numa manhã, o irmão mais velho ouviu baterem à sua porta.

– Estou procurando trabalho, disse ele.Talvez você tenha algum serviço para mim.
– Sim, disse o fazendeiro. Claro! Vê aquela fazenda ali, além do riacho? É do meu vizinho.
Na realidade do meu irmão mais novo. Nós brigamos e não posso mais suportá-lo. Vê aquela pilha de madeira ali no celeiro? Pois use para construir uma cerca bem alta.

– Acho que entendo a situação, disse o carpinteiro. Mostre-me onde estão a pá e os pregos.
O irmão mais velho entregou o material e foi para a cidade.
O homem ficou ali cortando, medindo, trabalhando o dia inteiro. Quando o fazendeiro chegou, não acreditou no que viu: em vez de cerca, uma ponte foi construída ali, ligando as duas margens do riacho.

Era um belo trabalho, mas o fazendeiro ficou enfurecido e falou:
– Você foi atrevido construindo essa ponte depois de tudo que lhe contei.
Mas as surpresas não pararam ai. Ao olhar novamente para a ponte viu o seu irmão se aproximando de braços abertos.

Por um instante permaneceu imóvel do seu lado do rio.
O irmão mais novo então falou:
– Você realmente foi muito amigo construindo esta ponte mesmo depois do que eu lhe disse.
De repente, num só impulso, o irmão mais velho correu na direção do outro e abraçaram-se, chorando no meio da ponte. O carpinteiro que fez o trabalho partiu com sua caixa de ferramentas.

– Espere, fique conosco! Tenho outros trabalhos para você.
E o carpinteiro respondeu:
– Eu adoraria, mas tenho outras pontes a construir…
Já pensou como as coisas seriam mais fáceis se parássemos de construir cercas e muros e passássemos a construir pontes com nossos familiares, amigos, colegas do trabalho e principalmente nossos inimigos…

O que você está esperando? Que tal começar agora!
REFLITA: 2 Coríntios 5 – “17. Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. 18. Mas todas as coisas provêm de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Cristo, e nos confiou o ministério da reconciliação”

DEUS ABENÇOE

Era uma vez um rapaz que ia muito mal na escola. Suas notas e o comportamento eram uma decepção para seus pais que, sonhavam em vê-lo formado e bem sucedido…

Um belo dia o bom pai lhe propôs um acordo: Se você, meu filho, conseguir ser aprovado no vestibular para a faculdade de medicina, lhe darei um carro de presente.

Por causa do carro, o rapaz mudou da água para o vinho. Passou a estudar como nunca e a ter um comportamento exemplar. O pai estava feliz, mas tinha uma preocupação. Ele sabia que a mudança do rapaz não era fruto de uma conversão sincera, mas apenas do interesse em obter o automóvel. Isso não era bom.

O rapaz estudava e aguardava o resultado de seus esforços. E assim, o grande dia chegou! Fora aprovado. Como prometido, o pai convidou a família para uma festa de comemoração. O rapaz tinha por certo que o pai lhe daria, na festa, o automóvel. Quando pediu a palavra, o pai elogiou o resultado obtido pelo filho e lhe passou nas mãos uma caixa de presente. Crendo que ali estavam as chaves do carro, o rapaz abriu o pacote. Para a sua surpresa, o presente era uma Bíblia. O rapaz ficou visivelmente decepcionado e nada disse.

Desde aquele dia, o silêncio e a distância separavam pai e filho. O jovem se sentia traído e agora, lutava por ser independente. Deixou a casa dos pais e foi morar no Campus da Universidade. Era raro mandar notícias à família.

O tempo passou e ele se formou, conseguiu um emprego em um bom hospital e se esqueceu completamente do pai. Todas as tentativas do pai de reatar com o filho foram em vão. Até que um dia, o velho, muito triste, adoeceu e não resistiu. Faleceu.

No enterro a mãe entregou ao filho, indiferente, a Bíblia que tinha sido o último presente do pai e que havia sido deixada pra trás. Em casa, o rapaz, que nunca perdoara o pai, ao colocar o livro numa estante, notou que havia dentro dele um envelope. Ao abri-lo, encontrou uma carta e um cheque. A carta dizia: “Querido filho, sei o quanto você deseja ter um carro. Eu prometi e aqui está o cheque para que você escolha o que mais lhe agradar. No entanto, fiz questão de lhe dar um presente ainda melhor: A Bíblia Sagrada. Nela aprenderá o Amor de Deus e a fazer o bem, não pelo prazer da recompensa, mas pela gratidão e pelo dever da consciência”.
Corroído de remorso, o filho caiu em profundo pranto.

Como é triste a vida de quem não sabe perdoar. Isto leva a erros terríveis. Antes que seja tarde, perdoe aquele a quem você pensa lhe ter feito mal. Talvez se olhar com cuidado, verá que há sempre um “cheque” escondido em todas as adversidades da vida.
Reflita: Mateus 7 – “12. Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós a eles; porque esta é a lei e os profetas.”

DEUS ABENÇOE

• Efésios 5 – 28. Assim devem os maridos amar a suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo.

• 1 Pedro 3 – “1. Semelhantemente vós, mulheres, sede submissas a vossos maridos; para que também, se alguns deles não obedecem à palavra, sejam ganhos sem palavra pelo procedimento de suas mulheres, 2. considerando a vossa vida casta, em temor. 3. O vosso adorno não seja o enfeite exterior, como as tranças dos cabelos, o uso de jóias de ouro, ou o luxo dos vestidos, 4. mas seja o do íntimo do coração, no incorruptível traje de um espírito manso e tranquilo, que és, para que permaneçam as coisas. 7. Igualmente vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações.”

“Alguns dizem que o casamento é como uma ilha deserta. Os que estão fora querem entrar e os que estão dentro querem sair.”

1. Entenda que o lar, a família, a relação entre marido e mulher, a relação entre pais e filhos fazem parte do plano original de Deus. Foi o Senhor que criou a família. Foi ele que tomou a iniciativa de constituir esta que com certeza é a principal célula da sociedade.

2. Entenda que juntamente conosco Deus está plenamente interessado na felicidade conjugal e de toda a família.

3. Edifique seu relacionamento conjugal sobre os fundamentos da verdade e transparência.

4. Seja fiel. O Amor exige fidelidade!

5. Valorize as virtudes de seu cônjuge e diminuindo os defeitos da pessoa que ama. Nossa tendência é o contrário disto! Realçamos os defeitos “O alvo da união conjugal não é pensar igual, mas pensar junto” As nossas diferenças nos completam.

6. Não tente mudar o seu cônjuge com criticas e murmurações constantes. Uma das primeiras tentações no casamento é que um ou ambos queiram bancar o “criador” e criar o outro novamente “segundo a sua própria imagem”.

7. Não seja exigente em demasia com o seu cônjuge. Somos demais exigentes com o nosso cônjuge. Precisamos admitir a nossa própria fragilidade e sermos mais tolerantes…e não esperar demais do outro. Ame o cônjuge que tem, e não o cônjuge imaginário. Procure fazer o melhor, passando por cima de muita coisa, perdoando, renunciando, amando muito.

8. Seja Grande nas coisas pequenas.

9. Tenham tudo em comum. Sonhos, alvos, planos, objetivos, dinheiro.

10. Compreenda que nunca é tarde demais para mudar ou recomeçar.

Pense nisso!

Deus abençoe

Um casal, recém casados, mudou-se para um bairro muito tranqüilo.
Na primeira manhã que passavam na casa, enquanto tomavam café, a mulher reparou através da janela em uma vizinha que pendurava lençóis no varal e comentou com o marido:
– Que lençóis sujos ela está pendurando no varal!

Provavelmente está precisando de um sabão novo. Se eu tivesse intimidade perguntaria se ela quer que eu a ensine a lavar as roupas!
O marido observou calado.

Alguns dias depois, novamente, durante o café da manhã, a vizinha pendurava lençóis no varal e a mulher comentou com o marido:
– Nossa vizinha continua pendurando os lençóis sujos! Se eu tivesse intimidade perguntaria se ela quer que eu a ensine a lavar as roupas!
E assim, a cada dois ou três dias, a mulher repetia seu discurso, enquanto a vizinha pendurava suas roupas no varal.

Passado um mês a mulher se surpreendeu ao ver os lençóis brancos, alvissimamente brancos, sendo estendidos, e empolgada foi dizer ao marido:
– Veja! Ela aprendeu a lavar as roupas, será que a outra vizinha ensinou!? Porque, não fui eu que a ensinei.
O marido calmamente respondeu:
– Não, é que hoje eu levantei mais cedo e lavei os vidros da nossa janela!

E assim é.
Tudo depende da janela através da qual observamos os fatos.
Antes de criticar, verifique se você fez alguma coisa para contribuir; verifique seus próprios defeitos e limitações.
Devemos olhar, antes de tudo, para nossa própria casa, para dentro de nós mesmos.
Só assim poderemos ter real noção do real valor de nossos amigos.

Lave sua vidraça.
Abra sua janela.

“Tire primeiro a trave do seu olho, e então verás claramente para tirar o cisco do olho do teu irmão” (Mateus 7:5)

Deus abençoe

Conta uma popular lenda do Oriente, que um jovem chegou à beira de um oásis, junto a um povoado e, aproximando-se de um velho, perguntou-lhe:
– Que tipo de pessoas vivem neste lugar?
– Que tipo de pessoas vivem no lugar de onde você vem? Perguntou por sua vez o ancião.
– Oh! Um grupo de egoístas e malvados, estou satisfeito de haver saído de lá. Replicou-lhe o rapaz.

A isso o velho replicou:
– A mesma coisa você haverá de encontrar por aqui.
No mesmo dia, um outro jovem se acercou do oásis para beber água e vendo o ancião perguntou-lhe:

– Que tipo de pessoas vivem por aqui?
O velho respondeu com a mesma pergunta:
– Que tipo de pessoas vivem no lugar de onde você vem?
O rapaz respondeu:
– Um magnífico grupo de pessoas, amigas, honestas, hospitaleiras. Fiquei muito triste por ter de deixá-las.

– O mesmo encontrará pôr aqui. Respondeu o ancião.
Um homem que havia escutado as duas conversas perguntou ao velho:
– Como é possível dar respostas tão diferentes à mesma pergunta?
Ao que o velho respondeu:

– Cada um carrega no seu coração o meio ambiente em que vive. Aquele que nada encontrou de bom nos lugares por onde passou, não poderá encontrar outra coisa por aqui. Aquele que encontrou amigos ali, também os encontrará aqui. Somos todos viajantes no tempo e o futuro de cada um de nós está escrito no passado. Ou seja, cada um encontra na vida exatamente aquilo que traz dentro de si mesmo. O ambiente, o presente e o futuro somos nós que criamos e isso só depende de nós mesmos.

Provérbios 23 – “7. Porque, como ele pensa consigo mesmo, assim é”

Deus abençoe

Colossenses 3 – “15. E a paz de Cristo, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos. 16. A palavra de Cristo habite em vós ricamente, em toda a sabedoria; ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, louvando a Deus com gratidão em vossos corações. 17. E tudo quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.”

Uma mulher acordou uma manhã após a quimioterapia, olhou no espelho e percebeu que tinha somente três fios de cabelo na cabeça.

– Bom (ela disse), acho que vou trançar meus cabelos hoje.

Assim ela fez e teve um dia maravilhoso.

No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e viu que tinha somente dois fios de cabelo na cabeça…

– Hummm (ela disse), acho que vou repartir meu cabelo no meio hoje.

Assim ela fez e teve um dia magnífico.

No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e percebeu que tinha apenas um fio de cabelo na cabeça.

– Bem (ela disse), hoje vou amarrar meu cabelo como um rabo de cavalo.

Assim ela fez e teve um dia divertido.

No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e percebeu que não havia um único fio de cabelo na cabeça.

– Yeeesss… (ela exclamou), hoje não tenho que pentear meu cabelo.

ATITUDE É TUDO!

Cada uma das pessoas com quem você convive está passando por algum tipo de batalha.

Viva com simplicidade.

Ame generosamente.

Cuide-se intensamente.

E, principalmente, não reclame!!!

Se preocupe em agradecer pelo que você é, e por tudo o que você tem!

A ESTRANHA VERDADE:

Alguns anos depois que nasci, meu pai conheceu uma estranha, recém-chegada à nossa pequena cidade.
Desde o princípio, meu pai ficou fascinado com esta encantadora personagem e, em seguida, a convidou a viver com nossa família.
A estranha aceitou e, desde então, tem estado connosco.
Enquanto eu crescia, nunca perguntei sobre seu lugar em minha família; na minha mente jovem já tinha um lugar muito especial.

Meus pais eram instrutores complementares… minha mãe me ensinou o que era bom e o que era mau e meu pai me ensinou a obedecer.
Mas a estranha era nossa narradora.
Mantinha-nos enfeitiçados por horas com aventuras, mistérios e comédias.
Ela sempre tinha respostas para qualquer coisa que quiséssemos saber de política, história ou ciência.

Conhecia tudo do passado, do presente e até podia predizer o futuro!
Levou minha família ao primeiro jogo de futebol.
Fazia-me rir, e me fazia chorar.

A estranha nunca parava de falar, mas o meu pai não se importava.
Às vezes, minha mãe se levantava cedo e calada, enquanto o resto de nós ficava escutando o que tinha que dizer, mas só ela ia à cozinha para ter paz e tranquilidade. (Agora me pergunto se ela teria orado alguma vez para que a estranha fosse embora).
Meu pai dirigia nosso lar com certas convicções morais, mas a estranha nunca se sentia obrigada a honrá-las.

As blasfêmias, os palavrões, por exemplo, não eram permitidos em nossa casa… nem por parte nossa, nem de nossos amigos ou de qualquer um que nos visitasse.
Entretanto, nossa visitante de longo prazo usava sem problemas sua linguagem inapropriada que às vezes queimava meus ouvidos e que fazia meu pai se retorcer e minha mãe se ruborizar.
Meu pai nunca nos deu permissão para tomar álcool. Mas a estranha nos animou a tentá-lo e a fazê-lo regularmente.

Fez com que o cigarro parecesse fresco e inofensivo, e que os charutos e os cachimbos fossem distinguidos.
Falava livremente (talvez demasiado) sobre sexo. Seus comentários eram às vezes evidentes, outras sugestivos, e geralmente vergonhosos.
Agora sei que meus conceitos sobre relações foram influenciados fortemente durante minha adolescência pela estranha.
Repetidas vezes a criticaram, mas ela nunca fez caso aos valores de meus pais, mesmo assim, permaneceu em nosso lar.

Passaram-se mais de cinquenta anos desde que a estranha veio para nossa família. Desde então mudou muito; já não é tão fascinante como era no princípio.
Não obstante, se hoje você pudesse entrar na guarida de meus pais, ainda a encontraria sentada em seu canto, esperando que alguém quisesse escutar suas conversas ou dedicar seu tempo livre a fazer-lhe companhia…
Seu nome? Ah. seu nome…

Chamamos de TELEVISÃO!

É isso mesmo; a intrusa se chama TELEVISÃO!
Agora ela tem um marido que se chama Computador, um filho que se chama Celular e um neto de nome Tablet.
A estranha agora tem uma família. A nossa será que ainda existe?

Reflexão:

2 Coríntios 4 – “4. nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus. 6. Porque Deus, que disse: Das trevas brilhará a luz, é quem brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo.”

2 Timóteo 3 – “1. Sabe, porém, isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos penosos (difíceis).”

Deus abençoe

“O amigo ama em todo o tempo; e para a angústia nasce o irmão” (Provérbios 17.7).

Uma moça trabalhava em um brechó de um hospital, como voluntária. Certo dia adentrou na loja uma certa senhora bastante obesa, e de cara a moça pensou que não tinha nada na loja na numeração dela. Se sentiu apreensiva e constrangida naquela situação, vendo a senhora percorrer as araras em busca de algo que a jovem sabia que ela não encontraria.

Ficou angustiada, porque não queria que a senhora se sentisse mal pelo tamanho das peças de roupas, se sentindo excluída implícita. Foi quando o esperado aconteceu. A senhora se dirigiu à jovem atendente e disse tristinha:

-“ É… não tem nada grande, não é?”
E a jovem, sem até aquele momento saber o que diria, simplesmente abriu os braços de uma ponta a outra e lhe respondeu:

Quem disse??? Claro que tem!! Olha só o tamanho desse abraço!
E a abraçou com muito carinho. A senhora então se entregou àquele abraço acolhedor e deixou-se tomar pelas lágrimas exclamando:

-“ Há quanto tempo que ninguém me dava um abraço.”
E chorando, tal qual uma criança a procura de um colo, lhe disse:
Não encontrei o que vim buscar, mas encontrei muito mais do que procurava

REFLEXÃO:
Quantas almas não se encontram também tão necessitadas de um simples abraço, de uma palavra de carinho, de um gesto de amor. Será que dentro de nós, se procurarmos no nosso baú, lá nas prateleiras da nossa alma, no estoque do nosso coração, também não acharemos algo GRANDE que sirva para alguém?

UM ABRAÇO TAMANHO GG PARA TODOS OS AMIGOS !

Deus abençoe

Três estudantes não fizeram um exame, porque não estudaram. Eles elaboraram um plano; sujaram-se com graxa, óleo e gasolina e foram ao professor:

“Professor, pedimos desculpas. Não pudemos vir ao exame, pois estávamos num casamento e no caminho de volta o carro quebrou, por isso estamos tão sujos, como pode ver”.

O professor entendeu e deu-lhes três dias para se prepararem. Apos três dias, eles foram ao exame muito bem preparados porque tinham estudado.

O professor colocou-os em salas separadas e aplicou a prova que tinha apenas 4 perguntas:

1. Quem casou com quem?
2. Que horas o carro quebrou?
3. Onde exatamente o carro quebrou?
4. Qual é a marca do carro?

NOTA: Se as respostas forem idênticas, estarão aprovados.
Boa Sorte!

Ser honesto significa escolher não mentir, roubar, enganar ou trapacear de modo algum. Quando somos honestos, desenvolvemos a força de caráter.

CUIDADO com a balança enganosa; seu sim deve ser sim e seu não também pois a Bíblia afirma o que passar disso é procedência maligna; chega de trapaças ou jeitinho brasileiro, pois nada fica em oculto por muito tempo.

Uma vida de mentiras pode levá-lo a muitas “conquistas” mas não se estabelece pela ausência de firmes alicerces. A maior riqueza é uma boa consciência respaldada pelos atributos da honestidade.

A honestidade não é para poucos, mas para todos, agora a escolha é sua.

Reflita: 1 Timóteo 1 – “19. conservando a fé, e uma boa consciência, a qual alguns havendo rejeitado, naufragando no tocante à fé.”

Deus abençoe

“ Porque Deus não nos deu o espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.” 2 Timóteo 1 .7

Você já passou pela experiência de perder o equilíbrio e levar um tombo?

Quando perdemos o controle, qualquer que seja a situação, algo desagradável sempre acontece e, às vezes, acaba afetando aqueles que estão por perto. Por isso, manter o equilíbrio é fundamental para quem quer ser bem sucedido.

I – FAZENDO A VONTADE DE DEUS

Parece incrível, mas é verdade: nem sempre conseguimos agir da maneira como gostaríamos… Algumas vezes planejamos uma coisa e fazemos outra… Pensamos uma coisa e falamos outra… Sentimos de uma determinada maneira, mas agimos de forma contrária.

Por que isso acontece? Que conflito é este que há dentro de nós que nos faz perder o controle… o domínio…o equilíbrio? Vivemos uma verdadeira guerra dentro de nós! Queremos fazer o que é certo, mas bem lá no fundo gostamos de fazer o que é errado. O apóstolo Paulo retratou bem esse conflito quando escreveu: “… não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço”. (Rm 7.19).
Este é o conflito da vontade própria X vontade de Deus (Gl 5.17). E quando não conseguimos manter o equilíbrio acabamos agindo fora dos princípios divinos.

Paulo nos orienta que “se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito”. (Gl 5.25). É o Espírito Santo de Deus quem nos ensina o que é certo e o que é errado, e é Ele quem nos concede a força necessária para andarmos no bom caminho. Sim, o Espírito Santo ensina e capacita, mas nós é que temos que andar… Escolher… Decidir. O equilíbrio vem quando usamos o poder de Deus com sabedoria para fazer a escolha certa.

Foi assim que Jesus agiu para ser vitorioso. Ele não confiou em si mesmo, mas se deixou guiar pelo Espírito Santo de Deus (Lc 4.1, Is 11.2, At 10.38). Jesus não fez a sua vontade, e sim a vontade do Pai: “… não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai”. (Jo 5.30); não falou as suas palavras, mas falou as palavras d’Aquele que o enviou: “… Os milagres que eu faço em nome do meu Pai falam por mim”. (Jo 10.25). Jesus agiu com perfeito equilíbrio.

Só aquele que tem a sua vida controlada por Deus e que deixa ser guiado pelo Espírito Santo, tem o verdadeiro equilíbrio.

II – DEIXANDO-SE DOMINAR PELO ESPÍRITO SANTO

Quando entregamos a direção de nossa vida ao domínio e orientação do Espírito Santo de Deus, recebemos uma nova natureza que vai nos ajudar a exercitar o equilíbrio. Deus nos deu a capacidade de sentir alegria quando pensamos e fazemos o que é certo. O conflito entre a vontade própria e a vontade de Deus desaparece e passamos a agir debaixo dos princípios divinos, não por obrigação, mas espontaneamente.

Os nossos pensamentos afetam os nossos sentimentos, e os nossos sentimentos influenciam as nossas atitudes. Então, para manter o equilíbrio nas coisas que fazemos, devemos manter o equilíbrio nas coisas que pensamos. “… tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento”. (Fp 4.8).

Se, de fato, queremos manter o controle naquilo que pensamos, sentimos e fazemos, devemos encher as nossas mentes com coisas que tragam edificação e firmeza para a nossa vida espiritual.

Precisamos deixar que o Espírito Santo nos ensine a manter o equilíbrio em qualquer situação, do contrário acabaremos perdendo o controle sempre que surgir uma situação difícil.

Conclusão: Vida equilibrada só existe quando é Deus quem domina aquela vida. Jesus sabia dessa verdade, e por isso se deixou guiar pela vontade do Pai celestial: “Pai…, não se faça a minha vontade, mas a tua” (Lc 22.42). Deus sabe o que é melhor para você e deseja conduzi-lo a uma vida vitoriosa, alegre e equilibrada. Entregue hoje a sua vida ao Senhor Jesus.

Deus abençoe.

Marcos Orati

Redes Sociais: